news:

Sul de Minas

Cuidado: casal de estelionatários está agindo em Pouso Alegre e região


foto_principal.png
10/09/2018

A dupla de salafrários se aproveita da falta de familiaridade de alguns comerciantes com a internet para ganhar dinheiro fácil.

 

Os espertalhões têm visitado as microempresas de Pouso Alegre e cidades vizinhas oferecendo um cadastro no Google. Para isso, eles cobram de 100 a 150 reais. Não contentes, em alguns estabelecimentos eles passam todo ano cobrando o mesmo valor.

 

Estaria tudo certo se não fosse pelo fato de que este é um serviço gratuito e muito simples de ser feito. O mais chocante é que a grande maioria dos estabelecimentos já está cadastrada, ou seja, na maior parte das vezes eles recebem o dinheiro sem fazer absolutamente nada em troca. Os salafrários se aproveitam da falta de familiaridade de alguns comerciantes com a internet para ganhar dinheiro fácil.

 

Alguns empresários alegam que foram ameaçados pelos estelionatários, que prometeram, através de comentários negativos nas redes sociais, difamar as empresas cujos proprietários se negaram a pagar pelo falso serviço.

 

Como o inquérito ainda está em andamento, não foi autorizada a divulgação dos nomes dos suspeitos, apenas suas características físicas, fornecidas pelas vítimas. A mulher aparenta ter entre 25 e 30 anos de idade, tem altura aproximada de 1,65m, está um pouco acima do peso, tem cabelos pretos e compridos e pele branca. O homem aparenta idade entre 30 e 35 anos, por volta de 1,75m de altura, sobrepeso, com o que se conhece por “barriga de chopp”, pele morena, olhos pretos, barba e cabelos volumosos e pretos e tatuagem em um dos braços.

 

Segundo os relatos das vítimas, ultimamente o golpe tem se dado da seguinte maneira: o casal chega em um Siena preto, o homem estaciona o carro próximo ao comércio e fica aguardando, enquanto a mulher faz a visita e oferece o falso serviço, utilizando-se de um aparelho celular para mostrar sites de empresas onde ela jamais trabalhou. Além do Google, eles se passam por representantes comerciais de outras empresas da cidade, oferecendo propagandas e montagem de sites, que, obviamente, nunca ficam prontos.

 

Se seu estabelecimento receber a visita de um desses aproveitadores, não entregue seu suado dinheiro a eles. Empresas sérias nunca exigem pagamento adiantado em dinheiro – se isso acontecer, desconfie, porque, muito provavelmente, trata-se de um golpe.

 

Se tiver informações sobre os farsantes e/ou quiser relatar a visita deles a seu estabelecimento, pode enviar um e-mail para contato@tvminas.com, que encaminharemos prontamente para a delegada responsável pela investigação do caso. Você também pode ajudar compartilhando essa matéria, para que outros comerciantes não sejam passados para trás.

A dupla de salafrários se aproveita da falta de familiaridade de alguns comerciantes com a internet para ganhar dinheiro fácil.


 


Os espertalhões têm visitado as microempresas de Pouso Alegre e cidades vizinhas oferecendo um cadastro no Google. Para isso, eles cobram de 100 a 150 reais. Não contentes, em alguns estabelecimentos eles passam todo ano cobrando o mesmo valor.


 


Estaria tudo certo se não fosse pelo fato de que este é um serviço gratuito e muito simples de ser feito. O mais chocante é que a grande maioria dos estabelecimentos já está cadastrada, ou seja, na maior parte das vezes eles recebem o dinheiro sem fazer absolutamente nada em troca. Os salafrários se aproveitam da falta de familiaridade de alguns comerciantes com a internet para ganhar dinheiro fácil.


 


Alguns empresários alegam que foram ameaçados pelos estelionatários, que prometeram, através de comentários negativos nas redes sociais, difamar as empresas cujos proprietários se negaram a pagar pelo falso serviço.


PATROCINADORES

 


Como o inquérito ainda está em andamento, não foi autorizada a divulgação dos nomes dos suspeitos, apenas suas características físicas, fornecidas pelas vítimas. A mulher aparenta ter entre 25 e 30 anos de idade, tem altura aproximada de 1,65m, está um pouco acima do peso, tem cabelos pretos e compridos e pele branca. O homem aparenta idade entre 30 e 35 anos, por volta de 1,75m de altura, sobrepeso, com o que se conhece por “barriga de chopp”, pele morena, olhos pretos, barba e cabelos volumosos e pretos e tatuagem em um dos braços.


 


Segundo os relatos das vítimas, ultimamente o golpe tem se dado da seguinte maneira: o casal chega em um Siena preto, o homem estaciona o carro próximo ao comércio e fica aguardando, enquanto a mulher faz a visita e oferece o falso serviço, utilizando-se de um aparelho celular para mostrar sites de empresas onde ela jamais trabalhou. Além do Google, eles se passam por representantes comerciais de outras empresas da cidade, oferecendo propagandas e montagem de sites, que, obviamente, nunca ficam prontos.


 


Se seu estabelecimento receber a visita de um desses aproveitadores, não entregue seu suado dinheiro a eles. Empresas sérias nunca exigem pagamento adiantado em dinheiro – se isso acontecer, desconfie, porque, muito provavelmente, trata-se de um golpe.


 


Se tiver informações sobre os farsantes e/ou quiser relatar a visita deles a seu estabelecimento, pode enviar um e-mail para contato@tvminas.com, que encaminharemos prontamente para a delegada responsável pela investigação do caso. Você também pode ajudar compartilhando essa matéria, para que outros comerciantes não sejam passados para trás.


A dupla de salafrários se aproveita da falta de familiaridade de alguns comerciantes com a internet para ganhar dinheiro fácil.



Os espertalhões têm visitado as microempresas de Pouso Alegre e cidades vizinhas oferecendo um cadastro no Google. Para isso, eles cobram de 100 a 150 reais. Não contentes, em alguns estabelecimentos eles passam todo ano cobrando o mesmo valor.



Estaria tudo certo se não fosse pelo fato de que este é um serviço gratuito e muito simples de ser feito. O mais chocante é que a grande maioria dos estabelecimentos já está cadastrada, ou seja, na maior parte das vezes eles recebem o dinheiro sem fazer absolutamente nada em troca. Os salafrários se aproveitam da falta de familiaridade de alguns comerciantes com a internet para ganhar dinheiro fácil.



PATROCINADORES

Alguns empresários alegam que foram ameaçados pelos estelionatários, que prometeram, através de comentários negativos nas redes sociais, difamar as empresas cujos proprietários se negaram a pagar pelo falso serviço.



Como o inquérito ainda está em andamento, não foi autorizada a divulgação dos nomes dos suspeitos, apenas suas características físicas, fornecidas pelas vítimas. A mulher aparenta ter entre 25 e 30 anos de idade, tem altura aproximada de 1,65m, está um pouco acima do peso, tem cabelos pretos e compridos e pele branca. O homem aparenta idade entre 30 e 35 anos, por volta de 1,75m de altura, sobrepeso, com o que se conhece por “barriga de chopp”, pele morena, olhos pretos, barba e cabelos volumosos e pretos e tatuagem em um dos braços.



PATROCINADORES

Segundo os relatos das vítimas, ultimamente o golpe tem se dado da seguinte maneira: o casal chega em um Siena preto, o homem estaciona o carro próximo ao comércio e fica aguardando, enquanto a mulher faz a visita e oferece o falso serviço, utilizando-se de um aparelho celular para mostrar sites de empresas onde ela jamais trabalhou. Além do Google, eles se passam por representantes comerciais de outras empresas da cidade, oferecendo propagandas e montagem de sites, que, obviamente, nunca ficam prontos.



Se seu estabelecimento receber a visita de um desses aproveitadores, não entregue seu suado dinheiro a eles. Empresas sérias nunca exigem pagamento adiantado em dinheiro – se isso acontecer, desconfie, porque, muito provavelmente, trata-se de um golpe.



Se tiver informações sobre os farsantes e/ou quiser relatar a visita deles a seu estabelecimento, pode enviar um e-mail para contato@tvminas.com, que encaminharemos prontamente para a delegada responsável pela investigação do caso. Você também pode ajudar compartilhando essa matéria, para que outros comerciantes não sejam passados para trás.



Veja Também