news:

Bem Estar

Brasil inicia vacinação contra velho inimigo: o sarampo


foto_principal.jpg
06/08/2018

A mobilização irá até o dia 31 de agosto e faz parte da estratégia do ministério para controlar o avanço da doença, que vem se alastrando pelo país.

 

O Ministério da Saúde inicia nesta segunda-feira uma campanha nacional de vacinação contra sarampo e poliomielite. A meta do governo é imunizar mais de 11,2 milhões de crianças entre 1 e 5 anos de idade, faixa etária mais suscetível a complicações das doenças.

 

A mobilização irá até o dia 31 de agosto e faz parte da estratégia do ministério para controlar o avanço do sarampo, que vem se alastrando pelo país, com casos registrados já em sete estados. Só neste ano, já são mais de 1.000 casos da doença, o maior número desde 1999, segundo levantamento do jornal Folha de S.Paulo.

 

De acordo com dados do Ministério da Saúde, até esta semana 724 casos da doença foram confirmados no Amazonas e 280 em Roraima, os dois estados com maior registro de incidência. Há casos isolados também identificados no Rio de Janeiro (14 casos), Rio Grande do Sul (13), Pará (2), Rondônia (1) e São Paulo (1).

 

A pasta considera o surto como “importado”, já que o genótipo do vírus identificado no país é o D8, o mesmo que circula na Venezuela. Com o aumento do número de venezuelanos entrando no Brasil, fugindo da crise econômica no país vizinho, casos começaram a ser confirmados, inicialmente em Roraima. No estado, dos 280 casos, 70% ocorreram em venezuelanos. Há outros 106 em investigação.

 

A doença vinha controlada no Brasil há anos. O último surto autóctone (quando as contaminações ocorrem dentro do próprio país, sem vir de fora) foi em 2000. Em 2016, a Organização Mundial da Saúde (OMS) decretou o país território livre da doença. Agora, o medo é que o número de casos cresça, já que só no Amazonas outros 4.470 casos estão sob investigação.

 

Segundo o Ministério da Saúde, o sarampo não é uma doença inofensiva, primeiro porque é transmissível e extremamente contagiosa, segundo porque apesar de normalmente não causar complicações, há casos de evolução para inflamações no cérebro, pneumonia e lesão cerebral. A única forma de prevenção, diz a pasta, é pela vacinação.

 

O dia D da campanha está marcado para 18 de agosto, quando cerca de 36.000 postos de saúde em todo o país devem ser abertos. A orientação é que mesmo crianças vacinadas com mais de um ano e menos de cinco sejam levadas para tomar uma nova dose.

A mobilização irá até o dia 31 de agosto e faz parte da estratégia do ministério para controlar o avanço da doença, que vem se alastrando pelo país.


 


O Ministério da Saúde inicia nesta segunda-feira uma campanha nacional de vacinação contra sarampo e poliomielite. A meta do governo é imunizar mais de 11,2 milhões de crianças entre 1 e 5 anos de idade, faixa etária mais suscetível a complicações das doenças.


 


A mobilização irá até o dia 31 de agosto e faz parte da estratégia do ministério para controlar o avanço do sarampo, que vem se alastrando pelo país, com casos registrados já em sete estados. Só neste ano, já são mais de 1.000 casos da doença, o maior número desde 1999, segundo levantamento do jornal Folha de S.Paulo.


 


De acordo com dados do Ministério da Saúde, até esta semana 724 casos da doença foram confirmados no Amazonas e 280 em Roraima, os dois estados com maior registro de incidência. Há casos isolados também identificados no Rio de Janeiro (14 casos), Rio Grande do Sul (13), Pará (2), Rondônia (1) e São Paulo (1).


PATROCINADORES

 


A pasta considera o surto como “importado”, já que o genótipo do vírus identificado no país é o D8, o mesmo que circula na Venezuela. Com o aumento do número de venezuelanos entrando no Brasil, fugindo da crise econômica no país vizinho, casos começaram a ser confirmados, inicialmente em Roraima. No estado, dos 280 casos, 70% ocorreram em venezuelanos. Há outros 106 em investigação.


 


A doença vinha controlada no Brasil há anos. O último surto autóctone (quando as contaminações ocorrem dentro do próprio país, sem vir de fora) foi em 2000. Em 2016, a Organização Mundial da Saúde (OMS) decretou o país território livre da doença. Agora, o medo é que o número de casos cresça, já que só no Amazonas outros 4.470 casos estão sob investigação.


 


Segundo o Ministério da Saúde, o sarampo não é uma doença inofensiva, primeiro porque é transmissível e extremamente contagiosa, segundo porque apesar de normalmente não causar complicações, há casos de evolução para inflamações no cérebro, pneumonia e lesão cerebral. A única forma de prevenção, diz a pasta, é pela vacinação.


 


O dia D da campanha está marcado para 18 de agosto, quando cerca de 36.000 postos de saúde em todo o país devem ser abertos. A orientação é que mesmo crianças vacinadas com mais de um ano e menos de cinco sejam levadas para tomar uma nova dose.


A mobilização irá até o dia 31 de agosto e faz parte da estratégia do ministério para controlar o avanço da doença, que vem se alastrando pelo país.



O Ministério da Saúde inicia nesta segunda-feira uma campanha nacional de vacinação contra sarampo e poliomielite. A meta do governo é imunizar mais de 11,2 milhões de crianças entre 1 e 5 anos de idade, faixa etária mais suscetível a complicações das doenças.



A mobilização irá até o dia 31 de agosto e faz parte da estratégia do ministério para controlar o avanço do sarampo, que vem se alastrando pelo país, com casos registrados já em sete estados. Só neste ano, já são mais de 1.000 casos da doença, o maior número desde 1999, segundo levantamento do jornal Folha de S.Paulo.



PATROCINADORES

De acordo com dados do Ministério da Saúde, até esta semana 724 casos da doença foram confirmados no Amazonas e 280 em Roraima, os dois estados com maior registro de incidência. Há casos isolados também identificados no Rio de Janeiro (14 casos), Rio Grande do Sul (13), Pará (2), Rondônia (1) e São Paulo (1).



A pasta considera o surto como “importado”, já que o genótipo do vírus identificado no país é o D8, o mesmo que circula na Venezuela. Com o aumento do número de venezuelanos entrando no Brasil, fugindo da crise econômica no país vizinho, casos começaram a ser confirmados, inicialmente em Roraima. No estado, dos 280 casos, 70% ocorreram em venezuelanos. Há outros 106 em investigação.



PATROCINADORES

A doença vinha controlada no Brasil há anos. O último surto autóctone (quando as contaminações ocorrem dentro do próprio país, sem vir de fora) foi em 2000. Em 2016, a Organização Mundial da Saúde (OMS) decretou o país território livre da doença. Agora, o medo é que o número de casos cresça, já que só no Amazonas outros 4.470 casos estão sob investigação.



Segundo o Ministério da Saúde, o sarampo não é uma doença inofensiva, primeiro porque é transmissível e extremamente contagiosa, segundo porque apesar de normalmente não causar complicações, há casos de evolução para inflamações no cérebro, pneumonia e lesão cerebral. A única forma de prevenção, diz a pasta, é pela vacinação.



O dia D da campanha está marcado para 18 de agosto, quando cerca de 36.000 postos de saúde em todo o país devem ser abertos. A orientação é que mesmo crianças vacinadas com mais de um ano e menos de cinco sejam levadas para tomar uma nova dose.



Veja Também