news:

Sul de Minas

Atraso de bolsas preocupa estudantes de universidades federais em MG


foto_principal.jpg
11/07/2018

Pagamento de maio foi repassado com um mês de atraso; FAPEMIG alega problemas no repasse do governo estadual.

 

Atrasos no pagamento das bolsas de estudo dos meses de maio e junho preocupam estudantes das universidades federais da região. O dinheiro deveria ter sido pago nas primeiras semanas de junho e julho pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig). O motivo da demora seria a falta de recursos do governo do estado.

 

O pagamento referente ao mês de maio foi feito na terça-feira (10). Porém, o pagamento de junho que deveria ocorrer até no último dia 6 de julho, ainda não foi realizado. As bolsas são repassadas primeiro para alunos de graduação; depois para o ensino médio sob orientação de professores universitários e, por fim, para os estudantes de mestrado e doutorado.

 

Uma das estudantes de Pós-Graduação em Economia do campus da Universidade Federal de Alfenas (Unifal-MG), em Varginha (MG), Jamaika Prado, reclama que, por ser bolsista, não pode ter uma outra fonte de renda. “Nós necessitamos do dinheiro da bolsa para sobreviver, pois não podemos trabalhar. Porque temos um contrato que obriga a dedicação exclusiva”, afirma.

 

Jamaika ainda fala que os atrasos levam a pagar juros e realizar empréstimos para honrar as despesas mensais.

 

“Para pagar as contas de maio peguei empréstimo achando que receberia logo e, assim, pagaria esse empréstimo. Mas nada de pagamento”, lamenta.

 

Para Jacqueline Oliveira dos Santos, doutoranda em Fisiologia Vegetal na Universidade Federal de Lavras (Ufla) que trabalha com seleção de clones de seringueira para cultivo no Sul de Minas, ficar sem salário é muito complicado.

 

“Defenderei minha tese no dia 25 de julho e a pressão psicológica é enorme. Sinto que ninguém se importa. Não há empatia com quem se envolve na ciência de modo geral”, opina.
Até o final da tarde de terça-feira (10), ela ainda não havia recebido os pagamentos de maio e junho.

 

 

Unifal

 

Na Unifal, a Fapemig tem um total de 100 bolsas de Iniciação Científica e Tecnológica concedidas a estudantes de graduação. Também disponibiliza 22 bolsas de Iniciação Científica Júnior a alunos de ensino médio das escolas públicas. As informações são da assessoria de comunicação da instituição que não divulgou o número de bolsas de mestrado e doutorado.

 

Ainda segundo a assessoria, desde a constatação do atraso, no início junho, foi solicitada uma posição da Fapemig.

 

 

Unifei

 

A Secretaria de Comunicação da universidade informou que na Universidade Federal de Itajubá (Unifei) são 175 bolsas no total. Destas, 19 são para alunos de mestrado; 09 de doutorado e 110 alunos de iniciação científica e ainda 37 bolsistas de ensino médio.

 

 

Ufla

 

A Universidade Federal de Lavras (Ufla) informou através de sua assessoria de comunicação que cerca de 500 estudantes recebem bolsas de mestrado, doutorado e iniciação científica na instituição.

 

 

Fapemig

 

A assessoria de comunicação da Fapemig confirmou o atraso. Explicou que a Secretaria de Estado da Fazenda (SEF) já repassou parte dos recursos para pagamento dos bolsistas no dia 28 de junho. E que os procedimentos internos para pagamento dos estudantes, já foram iniciados. Ainda informou que o restante do repasse será feito nos próximos dias pela SEF.

 

Sobre as razões do atraso, a assessoria disse que a crise financeira no estado de Minas é a responsável. “É de conhecimento público que Minas Gerais, assim como outras unidades da Federação e a própria União, passam por severa crise fiscal, o que, inclusive, motivou a decretação de calamidade financeira no Estado”, afirma

Pagamento de maio foi repassado com um mês de atraso; FAPEMIG alega problemas no repasse do governo estadual.


 


Atrasos no pagamento das bolsas de estudo dos meses de maio e junho preocupam estudantes das universidades federais da região. O dinheiro deveria ter sido pago nas primeiras semanas de junho e julho pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig). O motivo da demora seria a falta de recursos do governo do estado.


 


O pagamento referente ao mês de maio foi feito na terça-feira (10). Porém, o pagamento de junho que deveria ocorrer até no último dia 6 de julho, ainda não foi realizado. As bolsas são repassadas primeiro para alunos de graduação; depois para o ensino médio sob orientação de professores universitários e, por fim, para os estudantes de mestrado e doutorado.


 


Uma das estudantes de Pós-Graduação em Economia do campus da Universidade Federal de Alfenas (Unifal-MG), em Varginha (MG), Jamaika Prado, reclama que, por ser bolsista, não pode ter uma outra fonte de renda. “Nós necessitamos do dinheiro da bolsa para sobreviver, pois não podemos trabalhar. Porque temos um contrato que obriga a dedicação exclusiva”, afirma.


 


Jamaika ainda fala que os atrasos levam a pagar juros e realizar empréstimos para honrar as despesas mensais.


 


“Para pagar as contas de maio peguei empréstimo achando que receberia logo e, assim, pagaria esse empréstimo. Mas nada de pagamento”, lamenta.


 


Para Jacqueline Oliveira dos Santos, doutoranda em Fisiologia Vegetal na Universidade Federal de Lavras (Ufla) que trabalha com seleção de clones de seringueira para cultivo no Sul de Minas, ficar sem salário é muito complicado.


 


“Defenderei minha tese no dia 25 de julho e a pressão psicológica é enorme. Sinto que ninguém se importa. Não há empatia com quem se envolve na ciência de modo geral”, opina.
Até o final da tarde de terça-feira (10), ela ainda não havia recebido os pagamentos de maio e junho.


 


 


Unifal


 


PATROCINADORES

Na Unifal, a Fapemig tem um total de 100 bolsas de Iniciação Científica e Tecnológica concedidas a estudantes de graduação. Também disponibiliza 22 bolsas de Iniciação Científica Júnior a alunos de ensino médio das escolas públicas. As informações são da assessoria de comunicação da instituição que não divulgou o número de bolsas de mestrado e doutorado.


 


Ainda segundo a assessoria, desde a constatação do atraso, no início junho, foi solicitada uma posição da Fapemig.


 


 


Unifei


 


A Secretaria de Comunicação da universidade informou que na Universidade Federal de Itajubá (Unifei) são 175 bolsas no total. Destas, 19 são para alunos de mestrado; 09 de doutorado e 110 alunos de iniciação científica e ainda 37 bolsistas de ensino médio.


 


 


Ufla


 


A Universidade Federal de Lavras (Ufla) informou através de sua assessoria de comunicação que cerca de 500 estudantes recebem bolsas de mestrado, doutorado e iniciação científica na instituição.


 


 


Fapemig


 


A assessoria de comunicação da Fapemig confirmou o atraso. Explicou que a Secretaria de Estado da Fazenda (SEF) já repassou parte dos recursos para pagamento dos bolsistas no dia 28 de junho. E que os procedimentos internos para pagamento dos estudantes, já foram iniciados. Ainda informou que o restante do repasse será feito nos próximos dias pela SEF.


 


Sobre as razões do atraso, a assessoria disse que a crise financeira no estado de Minas é a responsável. “É de conhecimento público que Minas Gerais, assim como outras unidades da Federação e a própria União, passam por severa crise fiscal, o que, inclusive, motivou a decretação de calamidade financeira no Estado”, afirma


Pagamento de maio foi repassado com um mês de atraso; FAPEMIG alega problemas no repasse do governo estadual.



Atrasos no pagamento das bolsas de estudo dos meses de maio e junho preocupam estudantes das universidades federais da região. O dinheiro deveria ter sido pago nas primeiras semanas de junho e julho pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig). O motivo da demora seria a falta de recursos do governo do estado.



O pagamento referente ao mês de maio foi feito na terça-feira (10). Porém, o pagamento de junho que deveria ocorrer até no último dia 6 de julho, ainda não foi realizado. As bolsas são repassadas primeiro para alunos de graduação; depois para o ensino médio sob orientação de professores universitários e, por fim, para os estudantes de mestrado e doutorado.



Uma das estudantes de Pós-Graduação em Economia do campus da Universidade Federal de Alfenas (Unifal-MG), em Varginha (MG), Jamaika Prado, reclama que, por ser bolsista, não pode ter uma outra fonte de renda. “Nós necessitamos do dinheiro da bolsa para sobreviver, pois não podemos trabalhar. Porque temos um contrato que obriga a dedicação exclusiva”, afirma.



Jamaika ainda fala que os atrasos levam a pagar juros e realizar empréstimos para honrar as despesas mensais.



“Para pagar as contas de maio peguei empréstimo achando que receberia logo e, assim, pagaria esse empréstimo. Mas nada de pagamento”, lamenta.



Para Jacqueline Oliveira dos Santos, doutoranda em Fisiologia Vegetal na Universidade Federal de Lavras (Ufla) que trabalha com seleção de clones de seringueira para cultivo no Sul de Minas, ficar sem salário é muito complicado.



PATROCINADORES

“Defenderei minha tese no dia 25 de julho e a pressão psicológica é enorme. Sinto que ninguém se importa. Não há empatia com quem se envolve na ciência de modo geral”, opina.
Até o final da tarde de terça-feira (10), ela ainda não havia recebido os pagamentos de maio e junho.



Unifal



Na Unifal, a Fapemig tem um total de 100 bolsas de Iniciação Científica e Tecnológica concedidas a estudantes de graduação. Também disponibiliza 22 bolsas de Iniciação Científica Júnior a alunos de ensino médio das escolas públicas. As informações são da assessoria de comunicação da instituição que não divulgou o número de bolsas de mestrado e doutorado.



Ainda segundo a assessoria, desde a constatação do atraso, no início junho, foi solicitada uma posição da Fapemig.



Unifei



PATROCINADORES

A Secretaria de Comunicação da universidade informou que na Universidade Federal de Itajubá (Unifei) são 175 bolsas no total. Destas, 19 são para alunos de mestrado; 09 de doutorado e 110 alunos de iniciação científica e ainda 37 bolsistas de ensino médio.



Ufla



A Universidade Federal de Lavras (Ufla) informou através de sua assessoria de comunicação que cerca de 500 estudantes recebem bolsas de mestrado, doutorado e iniciação científica na instituição.



Fapemig



A assessoria de comunicação da Fapemig confirmou o atraso. Explicou que a Secretaria de Estado da Fazenda (SEF) já repassou parte dos recursos para pagamento dos bolsistas no dia 28 de junho. E que os procedimentos internos para pagamento dos estudantes, já foram iniciados. Ainda informou que o restante do repasse será feito nos próximos dias pela SEF.



Sobre as razões do atraso, a assessoria disse que a crise financeira no estado de Minas é a responsável. “É de conhecimento público que Minas Gerais, assim como outras unidades da Federação e a própria União, passam por severa crise fiscal, o que, inclusive, motivou a decretação de calamidade financeira no Estado”, afirma



Veja Também