news:

Esporte

França vence Bélgica e está na final da Copa


foto_principal.jpg
10/07/2018

Umtiti foi o autor do gol da vitória francesa por 1 a 0, em São Petersburgo.

 

A França está na final da Copa do Mundo pela terceira vez em duas décadas. Com um dos times mais jovens do Mundial, uma verdadeira muralha no gol e dois dos melhores atacantes da atualidade, Griezmann e Mbappé – que vai se tornando, a cada rodada, no grande astro da Copa, com apenas 19 anos –, a Seleção Francesa interrompeu, mais uma vez, o sonho da geração da Bélgica, vencendo por 1 a 0, na tarde desta terça-feira, na Arena São Petersburgo, na primeira semifinal do Mundial.

 

Com o resultado, os franceses se garantiram na decisão e esperam agora o vencedor de Inglaterra e Croácia, que se enfrentam nesta quarta-feira, às 15h (de Brasília), no Luzhniki, em Moscou. A última vez que os Bleus foram a uma decisão foi em 2006, quando perderam o título para a Itália, nos pênaltis, após empate por 1 a 1 até a prorrogação. Em 1998, quando o atual técnico Didier Deschamps estava em campo, os franceses venceram seu único título, em casa, diante do Brasil: 3 a 0.

 

Foi um jogo de percentual altíssimo de acerto de passes (beirando 90%) e de grande nível técnico – digno de uma semifinal de Copa do Mundo. A Bélgica teve uma mudança em relação ao time que enfrentou o Brasil, com Dembelé entrando na vaga de Meunier, suspenso. As características dos times no meio-campo também obrigaram os belgas a mudar o estilo de jogo, já que Fellaini ficou mais preso para marcar Pogba no primeiro tempo – no segundo, se lançou à frente, sem sucesso. De Bruyne jogou mais pela direita. Já os franceses, com Matuidi de volta no lugar de Tolisso, contavam bastante com Griezmann armando pelo meio-campo.

 

Os primeiros 45 minutos foram uma aula de disciplina tática e marcação, com os dois times tentando aproveitar o pouco espaço que tinham. Os belgas empurravam os franceses para a defesa, pressionando com Hazard pela esquerda, enquanto os Bleus saíam em velocidade com Griezmann.

 

Mesmo com a Bélgica tomando as ações da partida, a França foi quem mais finalizou no primeiro tempo, com 11 chutes, sendo dois no gol, contra apenas três do adversário, que incomodou Lloris apenas uma vez: depois de escanteio, aos 20min, Giroud cortou e a bola sobrou para Alderweireld, que bateu de esquerda. Lloris se esticou e espalmou a bola para escanteio. Um minuto antes, Hazard havia batido forte, mas Varane cortou de cabeça para fora.

 

Mesmo finalizando mais, a chance mais clara da França foi aos 39min, quando Mbappé rolou para Pavard bater rasteiro, parado por Courtois.

 

 

Segundo tempo

 

O segundo tempo se desenhava para mais 45 minutos de equilíbrio e com dois grandes goleiros garantindo o empate sem gols. Mas a eficiência francesa levou a melhor. Aos 6min, Griezmann cobrou escanteio, e Umtiti, 11 centímetros mais baixo que Fellaini (1,94m), antecipou-se ao belga, abrindo o placar de cabeça.

 

O gol abriu ainda mais o jogo. A Bélgica tentava com Hazard, mas não levava perigo a Lloris. A França respondia, mas também não teve chance clara para ampliar. Depois de seis minutos de acréscimos, a França segurou o placar e garantiu a primeira vaga da decisão na Rússia.

Umtiti foi o autor do gol da vitória francesa por 1 a 0, em São Petersburgo.


 


A França está na final da Copa do Mundo pela terceira vez em duas décadas. Com um dos times mais jovens do Mundial, uma verdadeira muralha no gol e dois dos melhores atacantes da atualidade, Griezmann e Mbappé – que vai se tornando, a cada rodada, no grande astro da Copa, com apenas 19 anos –, a Seleção Francesa interrompeu, mais uma vez, o sonho da geração da Bélgica, vencendo por 1 a 0, na tarde desta terça-feira, na Arena São Petersburgo, na primeira semifinal do Mundial.


 


Com o resultado, os franceses se garantiram na decisão e esperam agora o vencedor de Inglaterra e Croácia, que se enfrentam nesta quarta-feira, às 15h (de Brasília), no Luzhniki, em Moscou. A última vez que os Bleus foram a uma decisão foi em 2006, quando perderam o título para a Itália, nos pênaltis, após empate por 1 a 1 até a prorrogação. Em 1998, quando o atual técnico Didier Deschamps estava em campo, os franceses venceram seu único título, em casa, diante do Brasil: 3 a 0.


 


Foi um jogo de percentual altíssimo de acerto de passes (beirando 90%) e de grande nível técnico – digno de uma semifinal de Copa do Mundo. A Bélgica teve uma mudança em relação ao time que enfrentou o Brasil, com Dembelé entrando na vaga de Meunier, suspenso. As características dos times no meio-campo também obrigaram os belgas a mudar o estilo de jogo, já que Fellaini ficou mais preso para marcar Pogba no primeiro tempo – no segundo, se lançou à frente, sem sucesso. De Bruyne jogou mais pela direita. Já os franceses, com Matuidi de volta no lugar de Tolisso, contavam bastante com Griezmann armando pelo meio-campo.


 


Os primeiros 45 minutos foram uma aula de disciplina tática e marcação, com os dois times tentando aproveitar o pouco espaço que tinham. Os belgas empurravam os franceses para a defesa, pressionando com Hazard pela esquerda, enquanto os Bleus saíam em velocidade com Griezmann.


 


PATROCINADORES

Mesmo com a Bélgica tomando as ações da partida, a França foi quem mais finalizou no primeiro tempo, com 11 chutes, sendo dois no gol, contra apenas três do adversário, que incomodou Lloris apenas uma vez: depois de escanteio, aos 20min, Giroud cortou e a bola sobrou para Alderweireld, que bateu de esquerda. Lloris se esticou e espalmou a bola para escanteio. Um minuto antes, Hazard havia batido forte, mas Varane cortou de cabeça para fora.


 


Mesmo finalizando mais, a chance mais clara da França foi aos 39min, quando Mbappé rolou para Pavard bater rasteiro, parado por Courtois.


 


 


Segundo tempo


 


O segundo tempo se desenhava para mais 45 minutos de equilíbrio e com dois grandes goleiros garantindo o empate sem gols. Mas a eficiência francesa levou a melhor. Aos 6min, Griezmann cobrou escanteio, e Umtiti, 11 centímetros mais baixo que Fellaini (1,94m), antecipou-se ao belga, abrindo o placar de cabeça.


 


O gol abriu ainda mais o jogo. A Bélgica tentava com Hazard, mas não levava perigo a Lloris. A França respondia, mas também não teve chance clara para ampliar. Depois de seis minutos de acréscimos, a França segurou o placar e garantiu a primeira vaga da decisão na Rússia.


Umtiti foi o autor do gol da vitória francesa por 1 a 0, em São Petersburgo.



A França está na final da Copa do Mundo pela terceira vez em duas décadas. Com um dos times mais jovens do Mundial, uma verdadeira muralha no gol e dois dos melhores atacantes da atualidade, Griezmann e Mbappé – que vai se tornando, a cada rodada, no grande astro da Copa, com apenas 19 anos –, a Seleção Francesa interrompeu, mais uma vez, o sonho da geração da Bélgica, vencendo por 1 a 0, na tarde desta terça-feira, na Arena São Petersburgo, na primeira semifinal do Mundial.



Com o resultado, os franceses se garantiram na decisão e esperam agora o vencedor de Inglaterra e Croácia, que se enfrentam nesta quarta-feira, às 15h (de Brasília), no Luzhniki, em Moscou. A última vez que os Bleus foram a uma decisão foi em 2006, quando perderam o título para a Itália, nos pênaltis, após empate por 1 a 1 até a prorrogação. Em 1998, quando o atual técnico Didier Deschamps estava em campo, os franceses venceram seu único título, em casa, diante do Brasil: 3 a 0.



PATROCINADORES

Foi um jogo de percentual altíssimo de acerto de passes (beirando 90%) e de grande nível técnico – digno de uma semifinal de Copa do Mundo. A Bélgica teve uma mudança em relação ao time que enfrentou o Brasil, com Dembelé entrando na vaga de Meunier, suspenso. As características dos times no meio-campo também obrigaram os belgas a mudar o estilo de jogo, já que Fellaini ficou mais preso para marcar Pogba no primeiro tempo – no segundo, se lançou à frente, sem sucesso. De Bruyne jogou mais pela direita. Já os franceses, com Matuidi de volta no lugar de Tolisso, contavam bastante com Griezmann armando pelo meio-campo.



Os primeiros 45 minutos foram uma aula de disciplina tática e marcação, com os dois times tentando aproveitar o pouco espaço que tinham. Os belgas empurravam os franceses para a defesa, pressionando com Hazard pela esquerda, enquanto os Bleus saíam em velocidade com Griezmann.



Mesmo com a Bélgica tomando as ações da partida, a França foi quem mais finalizou no primeiro tempo, com 11 chutes, sendo dois no gol, contra apenas três do adversário, que incomodou Lloris apenas uma vez: depois de escanteio, aos 20min, Giroud cortou e a bola sobrou para Alderweireld, que bateu de esquerda. Lloris se esticou e espalmou a bola para escanteio. Um minuto antes, Hazard havia batido forte, mas Varane cortou de cabeça para fora.



PATROCINADORES

Mesmo finalizando mais, a chance mais clara da França foi aos 39min, quando Mbappé rolou para Pavard bater rasteiro, parado por Courtois.



Segundo tempo



O segundo tempo se desenhava para mais 45 minutos de equilíbrio e com dois grandes goleiros garantindo o empate sem gols. Mas a eficiência francesa levou a melhor. Aos 6min, Griezmann cobrou escanteio, e Umtiti, 11 centímetros mais baixo que Fellaini (1,94m), antecipou-se ao belga, abrindo o placar de cabeça.



O gol abriu ainda mais o jogo. A Bélgica tentava com Hazard, mas não levava perigo a Lloris. A França respondia, mas também não teve chance clara para ampliar. Depois de seis minutos de acréscimos, a França segurou o placar e garantiu a primeira vaga da decisão na Rússia.



Veja Também