Esporte
Cruzeiro x Corinthians? CBF admite estudar ideia de "recriar" Supercopa

18/11/2017

Diretor de competições da Confederação vê calendário brasileiro como empecilho, mas cita torneio sub-20 como 'termômetro' para torneio.

 

A Supercopa do Brasil Sub-20 tem início neste sábado (18), com os campeões do Campeonato Brasileiro e da Copa do Brasil da categoria se enfrentando em dois jogos. No caso, Cruzeiro e Atlético foram os vencedores dos torneios. O torneio de base servirá como “termômetro” para uma possível criação da competição em âmbito profissional, o que ainda está sob estudo da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

 

Se a ideia for levada adiante, a Supercopa do Brasil de 2018 contará com Corinthians e Cruzeiro, campeões do Brasileirão e da Copa do Brasil de 2017, respectivamente. 

 

“A gente sempre busca competições e torneios que interessem ao futebol brasileiro. Porém, no caso da Supercopa, estamos pensando no Sub-20, vamos ver como será, utilizaremos como um termômetro. Só pensamos no momento na categoria Sub-20, nada ainda no profissional. O principal problema no profissional são as datas, tem que caber no nosso calendário”, declarou ao Superesportes o diretor de competições da CBF, Manoel Flores.

 

Cruzeiro e Corinthians se manifestaram sobre a situação e enfatizaram o mesmo problema encontrado pelo diretor da CBF: o calendário apertado do futebol brasileiro. Itair Machado, vice-presidente de futebol do Cruzeiro a partir de 2018, na gestão de Wagner Pires de Sá, frisou a falta de datas.

 

Apesar disso, ele admite que a competição teria grande apelo. “Se tiver data, será bem-vindo, mas um problema é que no próximo ano teremos a Copa do Mundo da Rússia, então a gente está com poucas datas. Mas havendo datas e disponibilidade para não sacrificar muito os atletas, uma competição atrativa sempre é bem-vinda”.

 

O gerente de futebol do Corinthians, Alessandro Nunes, foi mais enfático em seu posicionamento. Segundo ele, o excesso de datas é um problema grave do futebol brasileiro e que prejudica tanto os jogadores como os clubes. Ele ainda enfatizou que não tem opinião formada sobre a competição.

 

“Acredito que seja complexo por causa da questão do calendário. Estamos procurando alternativas para diminuir o número de datas, então, se aumentarmos ainda mais, a quantidade de datas será complicado. Cedemos jogadores em datas Fifa e ainda sim entramos em campo, sendo prejudicados muitas vezes, assim como os próprios jogadores. É difícil falar de uma competição que ainda nem existe, e teremos um ano atípico por causa da Copa do Mundo de 2018. Não tenho opinião formada sobre este assunto, já que ainda é algo que nem existe de fato”, disse Alessandro.

 

 

“Recriação” da Supercopa do Brasil

 

O torneio já foi disputado de forma oficial por duas vezes no Brasil, em formatos diferentes. Em 1990, Grêmio e Vasco se enfrentaram em jogos de ida e volta, entre março e abril, com a segunda partida sendo disputada na casa do campeão do Brasileirão do ano anterior. Os gaúchos se sagraram campeões.

 

Já em 1991, Corinthians e Flamengo se enfrentaram em jogo único na casa do time vencedor do Campeonato Brasileiro do ano anterior, em janeiro. Os paulistas levantaram a taça.

 

Em outros centros do futebol, a Supercopa é tradicional e faz anualmente parte do calendário oficial. Em países como Alemanha, Espanha, Inglaterra e Itália, o campeão da Liga duela com o vencedor da Copa. A Argentina aderiu à ideia em 2012. Por sua vez, no Chile, a Supercopa é disputada desde 2013. 

Veja Também