news:

Notícias

Nora de Trump é hospitalizada após receber carta com substância suspeita


foto_principal.jpg
12/02/2018

Além de Vanessa Trump, outras duas pessoas que estavam no local também foram atendidas em hospital. Não há indícios até o momento de que pó seja perigoso.

 

Vanessa Trump, nora do presidente americano, e outras duas pessoas foram levadas para um hospital de Manhattan por precaução nesta segunda-feira (12), depois que uma carta suspeita contendo uma substância não identificada foi enviada para o apartamento dela, disseram autoridades de alto escalão e funcionários da administração da cidade a veículos como Associated Press e NBC News.

 

A polícia informou à AP que Vanessa abriu o envelope e se sentiu mal, mas um teste preliminar indicou que o pó não se trata de um produto perigoso.

 

Entre as outras duas pessoas que também foram ao hospital estava a mãe de Vanessa Trump, embora ela não se queixasse de sintomas, disse o porta-voz da polícia.

 

A carta era dirigida ao marido de Vanessa Trump, Donald Trump Jr., filho mais velho do presidente e sua ex-esposa Ivana.

 

"A substância chegou pelo correio e foi dirigida à Donald Trump Jr.", disse o porta-voz do Departamento de Polícia de Nova York, Carlos Nieves.

 

Autoridades dos EUA estão em alerta sobre correspondências com pó branco desde 2001, quando envelopes contaminados com antrax foram enviados a veículos de mídia e legisladores, matando cinco pessoas.

Além de Vanessa Trump, outras duas pessoas que estavam no local também foram atendidas em hospital. Não há indícios até o momento de que pó seja perigoso.


 


Vanessa Trump, nora do presidente americano, e outras duas pessoas foram levadas para um hospital de Manhattan por precaução nesta segunda-feira (12), depois que uma carta suspeita contendo uma substância não identificada foi enviada para o apartamento dela, disseram autoridades de alto escalão e funcionários da administração da cidade a veículos como Associated Press e NBC News.


 


A polícia informou à AP que Vanessa abriu o envelope e se sentiu mal, mas um teste preliminar indicou que o pó não se trata de um produto perigoso.


 


PATROCINADORES

Entre as outras duas pessoas que também foram ao hospital estava a mãe de Vanessa Trump, embora ela não se queixasse de sintomas, disse o porta-voz da polícia.


 


A carta era dirigida ao marido de Vanessa Trump, Donald Trump Jr., filho mais velho do presidente e sua ex-esposa Ivana.


 


"A substância chegou pelo correio e foi dirigida à Donald Trump Jr.", disse o porta-voz do Departamento de Polícia de Nova York, Carlos Nieves.


 


Autoridades dos EUA estão em alerta sobre correspondências com pó branco desde 2001, quando envelopes contaminados com antrax foram enviados a veículos de mídia e legisladores, matando cinco pessoas.


Além de Vanessa Trump, outras duas pessoas que estavam no local também foram atendidas em hospital. Não há indícios até o momento de que pó seja perigoso.



Vanessa Trump, nora do presidente americano, e outras duas pessoas foram levadas para um hospital de Manhattan por precaução nesta segunda-feira (12), depois que uma carta suspeita contendo uma substância não identificada foi enviada para o apartamento dela, disseram autoridades de alto escalão e funcionários da administração da cidade a veículos como Associated Press e NBC News.



A polícia informou à AP que Vanessa abriu o envelope e se sentiu mal, mas um teste preliminar indicou que o pó não se trata de um produto perigoso.



PATROCINADORES

Entre as outras duas pessoas que também foram ao hospital estava a mãe de Vanessa Trump, embora ela não se queixasse de sintomas, disse o porta-voz da polícia.



A carta era dirigida ao marido de Vanessa Trump, Donald Trump Jr., filho mais velho do presidente e sua ex-esposa Ivana.



"A substância chegou pelo correio e foi dirigida à Donald Trump Jr.", disse o porta-voz do Departamento de Polícia de Nova York, Carlos Nieves.



Autoridades dos EUA estão em alerta sobre correspondências com pó branco desde 2001, quando envelopes contaminados com antrax foram enviados a veículos de mídia e legisladores, matando cinco pessoas.



Veja Também