news:

Notícias

Candidatura de Joaquim Barbosa enfrenta resistência dentro do PSB


foto_principal.jpg
17/12/2017

Diante de impasse, legenda pode liberar diretórios estaduais para escolhas mais convenientes.

 

O presidente do PSB, Carlos Siqueira, e parte da bancada de deputados da sigla trabalham para convencer o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa a se filiar ao partido para disputar a Presidência. O problema é que um setor da legenda resiste à ideia. O ex-comunista Aldo Rebelo, que se filiou ao PSB em setembro, já anunciou internamente que disputará a indicação de candidato contra Barbosa.

 

Defensores da candidatura do ex-ministro do STF enxergam o dedo do vice-governador de São Paulo, Márcio França, na pré-candidatura de Aldo. O objetivo seria inibir Barbosa a embarcar no projeto presidencial do PSB. França já anunciou que, independentemente da posição do partido, vai apoiar a candidatura de Geraldo Alckmin.

 

"O Alckmin é o melhor candidato", disse França, que deve assumir o governo em março e disputar a reeleição.

 

Para o vice-governador, lançar um candidato próprio a presidente é uma “decisão errada que atrapalharia a campanha dos governadores do partido”. Ele nega ser o articulador da candidatura de Aldo.

 

Diante das diferenças internas, França reconhece que um caminho seria a liberação para que cada diretório estadual apoie o candidato a presidente que for mais conveniente para a eleição local.

 

"No limite, é um caminho.

Reeleição em troca de apoio".

 

Aliados do governador de Pernambuco, Paulo Câmara, afilhado político de Eduardo Campos, também veem a ideia com simpatia. Neste caso, o pernambucano, que vai tentar a reeleição, poderia apoiar Lula, que é popular no estado.

 

"O fundamental é buscar manter a unidade do partido, em favor de uma composição de centro-esquerda", afirma Câmara, que elogia Barbosa, mas não se compromete com a candidatura do ex-ministro.

 

O governo pernambucano defende que o PSB só tome uma decisão sobre a campanha presidencial no final do primeiro semestre de 2018. O presidente Carlos Siqueira tenta apaziguar as diferenças.

 

"Vamos resolver no tempo certo e nos entender".

 

Para o líder do PSB na Câmara, Júlio Delgado (MG), a candidatura de Barbosa é a opção para evitar um racha.

 

"Não tem uma solução melhor do que ter candidatura própria e tendo candidatura própria que sirva para um projeto nacional"

 

Barbosa ficou de dar uma resposta até fevereiro. O ex-ministro informou que não está comentando o assunto.

Diante de impasse, legenda pode liberar diretórios estaduais para escolhas mais convenientes.


 


O presidente do PSB, Carlos Siqueira, e parte da bancada de deputados da sigla trabalham para convencer o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa a se filiar ao partido para disputar a Presidência. O problema é que um setor da legenda resiste à ideia. O ex-comunista Aldo Rebelo, que se filiou ao PSB em setembro, já anunciou internamente que disputará a indicação de candidato contra Barbosa.


 


Defensores da candidatura do ex-ministro do STF enxergam o dedo do vice-governador de São Paulo, Márcio França, na pré-candidatura de Aldo. O objetivo seria inibir Barbosa a embarcar no projeto presidencial do PSB. França já anunciou que, independentemente da posição do partido, vai apoiar a candidatura de Geraldo Alckmin.


 


"O Alckmin é o melhor candidato", disse França, que deve assumir o governo em março e disputar a reeleição.


 


Para o vice-governador, lançar um candidato próprio a presidente é uma “decisão errada que atrapalharia a campanha dos governadores do partido”. Ele nega ser o articulador da candidatura de Aldo.


 


Diante das diferenças internas, França reconhece que um caminho seria a liberação para que cada diretório estadual apoie o candidato a presidente que for mais conveniente para a eleição local.


 


"No limite, é um caminho.


Reeleição em troca de apoio".


PATROCINADORES

 


Aliados do governador de Pernambuco, Paulo Câmara, afilhado político de Eduardo Campos, também veem a ideia com simpatia. Neste caso, o pernambucano, que vai tentar a reeleição, poderia apoiar Lula, que é popular no estado.


 


"O fundamental é buscar manter a unidade do partido, em favor de uma composição de centro-esquerda", afirma Câmara, que elogia Barbosa, mas não se compromete com a candidatura do ex-ministro.


 


O governo pernambucano defende que o PSB só tome uma decisão sobre a campanha presidencial no final do primeiro semestre de 2018. O presidente Carlos Siqueira tenta apaziguar as diferenças.


 


"Vamos resolver no tempo certo e nos entender".


 


Para o líder do PSB na Câmara, Júlio Delgado (MG), a candidatura de Barbosa é a opção para evitar um racha.


 


"Não tem uma solução melhor do que ter candidatura própria e tendo candidatura própria que sirva para um projeto nacional"


 


Barbosa ficou de dar uma resposta até fevereiro. O ex-ministro informou que não está comentando o assunto.


Diante de impasse, legenda pode liberar diretórios estaduais para escolhas mais convenientes.



O presidente do PSB, Carlos Siqueira, e parte da bancada de deputados da sigla trabalham para convencer o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa a se filiar ao partido para disputar a Presidência. O problema é que um setor da legenda resiste à ideia. O ex-comunista Aldo Rebelo, que se filiou ao PSB em setembro, já anunciou internamente que disputará a indicação de candidato contra Barbosa.



Defensores da candidatura do ex-ministro do STF enxergam o dedo do vice-governador de São Paulo, Márcio França, na pré-candidatura de Aldo. O objetivo seria inibir Barbosa a embarcar no projeto presidencial do PSB. França já anunciou que, independentemente da posição do partido, vai apoiar a candidatura de Geraldo Alckmin.



"O Alckmin é o melhor candidato", disse França, que deve assumir o governo em março e disputar a reeleição.



Para o vice-governador, lançar um candidato próprio a presidente é uma “decisão errada que atrapalharia a campanha dos governadores do partido”. Ele nega ser o articulador da candidatura de Aldo.



PATROCINADORES

Diante das diferenças internas, França reconhece que um caminho seria a liberação para que cada diretório estadual apoie o candidato a presidente que for mais conveniente para a eleição local.



"No limite, é um caminho.



Reeleição em troca de apoio".



Aliados do governador de Pernambuco, Paulo Câmara, afilhado político de Eduardo Campos, também veem a ideia com simpatia. Neste caso, o pernambucano, que vai tentar a reeleição, poderia apoiar Lula, que é popular no estado.



"O fundamental é buscar manter a unidade do partido, em favor de uma composição de centro-esquerda", afirma Câmara, que elogia Barbosa, mas não se compromete com a candidatura do ex-ministro.



PATROCINADORES

O governo pernambucano defende que o PSB só tome uma decisão sobre a campanha presidencial no final do primeiro semestre de 2018. O presidente Carlos Siqueira tenta apaziguar as diferenças.



"Vamos resolver no tempo certo e nos entender".



Para o líder do PSB na Câmara, Júlio Delgado (MG), a candidatura de Barbosa é a opção para evitar um racha.



"Não tem uma solução melhor do que ter candidatura própria e tendo candidatura própria que sirva para um projeto nacional"



Barbosa ficou de dar uma resposta até fevereiro. O ex-ministro informou que não está comentando o assunto.



Veja Também